• Rafael Urquhart

O que tem te deixado livre?

Não tenho me sentido livre e por conta disso, meu pensamento está, neste instante, tentando me levar para a reflexão inversa na direção do que tem me deixado preso.


Não que livre seja o inverso de preso, mas em algum lugar em mim existe uma força querendo focar no que não me deixa livre, para assim clarear a percepção do que me deixa livre.


Talvez a reflexão possa começar por ai, leio uma pergunta e meu pensamento me leva a primeiro olhar para a negativa da questão para então olhar para o que ela de fato me provoca. Talvez eu faça o mesmo quando me perguntam "O que te deixa feliz?", por alguma fração vou ao oposto e retorno.


Já escrevi muito sobre perspectiva e referência, e sobre o quanto isso afeta de fato nossa percepção ou viés.


Incrível como só agora percebo o verbo deixar, ele estava ali o tempo todo, com todas suas possibilidades, olho para a pergunta novamente e sinto que ela revela algo mais sobre liberdade. É como se meu inconsciente terceirizasse meu sentimento de liberdade à algo, alguém ou algum fato. "O quê?". Quase que um pedir permissão.


De fato reitero que não tenho me sentido nada livre, cercado de "tenho quês", que só aumentam e não se concluem. Ao mesmo tempo tenho a liberdade disponível e acessível o tempo todo nos seus pequenos detalhes, mas...


É preciso de uma grande pausa para esse "mas". Ele carrega em si desculpas, vitimismos, e toda uma história que vai no sentido contrario, ao que a pergunta pode me provocar. Percebo que caí por instantes novamente na armadilha de argumentar todos os motivos e razões pelas quais não me sinto livre.


Vamos encarar de frente, o que de fato tem me deixado livre?


O não racionalizar. Não pensar. Não listar. Não fazer. Simplesmente ser.


Que frase negativa. E agora que grande julgamento.


Se liberdade é bom e com certeza é bom, afinal lutamos por ela. Por que ela precisa da conotação do não ser livre para poder ser descrita?


A arte é liberta em si, através daquele que canta, grita, pinta, dança ou interpreta. Será que essa é uma tradução de liberdade?


Se não me sinto livre. Onde busco essa tal liberdade de ser?


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mas...Se...Fosse...Não é. Incrível como a criatividade nos permite aproximar sonho de respiro, estou tentando aproximar por algumas possíveis relações. Frequência? Prazer? Ciclo? Deixar passar? Tempo?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f