Ficamos em silêncio, fomos conduzidos em segurança de olhos vendados, confiamos no outro, nos conectamos com aromas, tínhamos um lindo bastão da fala e uma pergunta maravilhosa sobre legado, sobre o que deixamos e magicamente as conversas que surgiram foram não só poderosas, como que tudo esta em nós, o tempo todo , e nós estamos em tudo o tempo todo refletindo o outro ou o contexto.

Oportunidades vão e vem, dentro de seus ciclos, só que se o ciclo não é fechado, em algum lugar na nossa mente fica presente a possiblidade existente e que ainda pode ser utilizada. Descobri que quando findamos ciclos, encerramos estas oportunidades abertas que as vezes nos tomam tempo. É como a velha frase, um tiro dado não volta mais. Uma oportunidade criada nunca é igual na segunda vez, e pode nunca existir renovo.

Tudo tem um passo a passo, e o preparo é fundamental para uma conversa, talvez o preparo tenha iniciado antes, nos yes e todos se sentiram livres pra entrar e falar sobre como vivem suas relações no dia a dia, como são leves e alegres. Incrivelmente muitos não tinha pensado nisso, e o ir direto ao ponto os trouxe pro aqui e agora pra falar o que importa no coração agora sem pensar, sem refletir e sem premeditar qualquer fala, simplesmente indo direto ao que importa.

Sonhar é um estado de espirito, é um acreditar, é uma conexão com algo que queremos muito, e uma desconexão do cérebro pensante para uma conexão com o cérebro amante, o do coração. Sonhar vem de dentro, e quando o Art of Hosting urbano, na SImplify em Porto Alegre se torna realidade com um circulo de 50 pessoas, só me resta aprender, continuar aprendendo no caminho de ter tornado isso possível oportunizando junto com um belo time, mais uma oportunidade de conversas significativas a outros.

Mas este texto não é sobre mim, é sobre o que estamos vivendo. Em meio a tragédias uma encima das outras, cada vez piores, em um pequeno lugar do mundo, pequenas pessoas, estão dando pequenos passos que podem transformar o mundo. Não duvide de corações transbordando de intenções positivas, conectados pelo mesmo olhar e seguir. Vem muita coisa boa nesse mundão que nos cerca.

Podemos comprar menos, mas se reduzíssemos somente os processos, creio (não sei se vale ou não) estaríamos reduzindo o desperdício de custos, a engenharia de custos na ordem de 50%. É fazer a mesma coisa tantas vezes, de tantas formas distintas e repetitivas, que me aborrece a perda de tempo de todos, o desperdício de tempo humano a todo tempo, que impacta em custos que ninguém vê.

Ver os amigos, apresentar meu filho, sentar numa roda de conversa, falar sobre sonhos e sobre futuro, me fez sentir vivo, pelo fato de me reconhecer no positivo que vejo no outro. Ver esse casal de amigos, no positivo da suas existências e lembranças dos momentos divertidos que vivemos juntos, me devolve a um lugar de conforto dentro do meu próprio coração que desejo me manter por muitos longos anos próximo do meu filho.

Duas experiências, quatro possibilidades de histórias, e a possibilidade de praticar a não violência, é a escolha que fiz para ME FAZER FELIZ, É BOM PRA MIM, É COERENTE COM O QUE ACREDITO e assim durmo tranquilo de que fiz além da minha parte, extendendo a confiança ao outro, e deixando as coisas melhores do que encontrei, agindo como eu gostaria que tivessem agido comigo.

Quando falamos do coração algo mágico acontece, quando ficamos nesse lugar de fala e escuta a magia emerge, conseguimos colocar uma lente que nos permite clarear a intenção um do outro. Julgamentos caem, histórias tristes tornam a possibilidade de novos aprendizados não tristes, e de alguma forma, soluções simples brotam, ações simples movem coletivos, e tudo se conecta e faz sentido.