top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como equilibrar a influência do conhecimento com o heroísmo revolvedor de problemas?

Vivemos em uma sociedade dependente de heróis.


Quem irá nos salvar? Já diria o Chapolin Colorado.


Perdão pela brincadeira atemporal, mas é uma frase recorrente no dia a dia das organizações, dos negócios. Por melhores que sejam as estratégias estamos sempre na iminência de sermos salvos por uma ideia ou ação de alguém.


Com o tempo, vamos virando heróis, carregando nossos feitos, e esse ciclo de heroismo vai se retroalimentando para além do conhecimento efetivamente implicado.


Não que não sejamos heróis por fazer tanto com tão pouco. Só que esse arquétipo e as dependências e consequências que isso traz ficam invisíveis.


Diria que o que mais me assusta é a dependência, pois com o tempo cria-se o risco de ouvir duas possibilidades.


"Isso faz tempo que ninguém resolve, não tem solução." "Ahhh, isso só o fulano sabe resolver."

Acredito numa transição, de heróis para servidores. De salvadores para cumpridores.


Onde confiança seja mais especial que heroísmo.


Confesso que não sei se é esse o equilíbrio entre influencia e heroismo, ou ainda uma saída para o reconhecimento natural através do tempo.


Como tem se reconhecido ultimamente?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quais as perspectivas de documentar as relações?

Uma foto. Uma mensagem. Um filme. Uma lembrança. Uma ou infinitas histórias. As relações acontecem no agora, mas deixam rastros pela eternidade. Uma briga ou palavra mal dita, uma mensagem bem ou mal

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page