• Rafael Urquhart

Aonde buscar feedbacks?

Aonde ou com quem?

Me vem em mente o ponto mais próximo, nas próprias palavras escritas, pensamentos vividos e emoções sentidas.

A escrita faz com que eu possa me ler a mim mesmo e retroalimentar observações do presente com contextos passados. Talvez o melhor dos feedbacks sejam as perguntas que emergem nesse olhar. Qual pergunta emerge em mim frente a uma ação, pensamento ou emoção? Quais são esses questionamentos? Divagar sobre eles já é em si um auto-feedback à ser trabalhado..

Volto no “aonde”, e penso em um “local de aprendizagem imaginário”. Como se fosse possível arquitetar esse espaço invisível a cada instante, criando limite de contexto e espaço.

É no contexto de aprendizado que o feedback é bem recebido e tem valor.

Nenhum feedback é útil se não tivermos abertos a aprender. Portanto os feedbacks devem ser buscados em um contexto de aprendizagem. Pedir um feedback sem esse contexto pode incorrer num feedback mal dado ou inversamente mal recebido. É como que para essa informação fluir seja necessário esse canal fisico propositivo a evolução.

Como contar uma boa história?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f