• Rafael Urquhart

Como estar presente sem pensar?

Já me perguntei como parar os pensamentos e refleti em vão.

Primeiro por que ao fazer isso, os estou tratando em terceira pessoa, distantes de mim, é como tentar separar o inseparável. Controlar os pensamentos é uma habilidade, estar atento, dar foco, escolher o momento certo de agir, seja pela fala ou movimento.

Ainda assim parece que só o que existe é o agora, por mais que os pensamentos viajem no tempo, pra frente e pra trás a todo instante, o que existe é o agora, na grande parte do tempo são os pensamentos que nos tiram deste lugar, arrisco a afirmar que somente eles, os pensamentos é que nos distraem da nossa capacidade de presença.

Não quero aqui dizer que pensar é ruim, ou não é importante. Mas como seria a vida sem o pensar?

Como seriamos sem conectar passado e futuro ou ainda necessidade e recursos?

Como estaríamos presente agora se não pudéssemos recordar o como fazer, ou aonde as ferramentas estão. Talvez aqui eu já comece a confundir memória com pensamento, mas pe parecem conectados.

Não sei se existe forma de estar presente sem pensar? Experimento alguns momentos simples, quando estou regando as plantas, parece que estou ali, só regando, atenção a água e as plantas. Os momentos divertidos quanto estou com meu filho, somente ali, observando e brincando sem pensar em antes e depois.

São frações de tempo, tempos curtos, mas com certeza tempos de presença.

Talvez aquele momento que estamos nos divertindo fazendo o que gostamos, onde só é preciso fazer nos deixe mais leves.

Só talvez…

Estou consciente do cuidado na qualidade dos meus pensamentos, maximizando os positivos.

Minha intenção é poder aumentar os tempos de presença, de ação, de movimento.

Escolho criar agendas especificas para pensar e planejar, também separando momentos apenas para o fazer, agir e estar presente no agora.

Como seria a vida se não pudéssemos conectar passado e futuro?


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f