top of page
  • Rafael Urquhart

Como fluir no fazer?

E se conversando pudéssemos fazer melhor e com menos?

Tenho percebido em mim um momento muito potente da ação, de colocar a mão na massa, fazer sem se preocupar com o tempo envolvido, fluindo no colocar em movimento.

Me veem em mente o atrito necessário para arrancada, mas que como na física, depois de colocado em movimento um objeto precisa de muito menos força para manter-se neste movimento.

Essa arrancada, se sozinho pode ser extremamente penosa, difícil, dura sustentando a máxima de que sem esforço e dor, sem ganho. Porém, existe outro caminho, se buscamos conversar, interagir, trocar idéias, pedir ajuda, mostrar-se vulnerável e permitir que os que já estão em movimento te apoiem, algo acontece.

Esse algo não facilita o movimento inicial, mas o torna mais simples, ainda com força e esforço, mas agora sem dor, é como se fosse um iniciar mais divertido, mais leve, com uma direção consciente. A partir daí, conectado, com um sistema de apoio que te escuta e que te corrige curso, novas possibilidades se abrem, novos caminhos se tornam possíveis e visíveis.

Assim este fluir, este correr sem pressa, no sentido que a energia e do campo que estamos inseridos, nos leva a conversar mais, contatos e situações começam a emergir e conectar, apoiar, incentivar. Tudo ao seu tempo, nos conduzindo de volta pro fluxo.

E se tivéssemos mais tempo para conversas?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page