top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como flutuar na escrita na primeira e terceira pessoa?

Hoje tive a oportunidade de ressignificar o por que escrevo tanto na primeira pessoa.

Fiz alguns TCCs, 6 no total, 5 individuais e 1 em coletivo escrito em espanhol. Em todos eles, ao editar e corrigir recebi a crítica de escrever muito na primeira pessoa. Sempre tendo uma orientação de quem revisa para passar para a terceira pessoa. Pelo que entendi é por que o texto está comunicando ao outro, e no momento da leitura estamos em nós, embora eu sempre achei que a terceira pessoa seria ele ou eles.

Estou editando um livro fruto destas escritas diárias, e a editora trouxe a mesma sugestão em diversos pontos, e fui ler os textos pra entender melhor o que estava comunicando.

Quando escrevo posso ter inferência sobre o que eu acredito, sobre o que eu faço. Quando pulo pro nós ou pro eles, entro numa área que não tenho domínio, assumo pressupostos que não posso garantir nem confirmar, não quero escrever hipóteses afirmativas, é uma escolha.

Quando entro no nós, ou no eles, é por que percebo e escuto de outras pessoas que percebem isso comigo. É um flutuar da minha percepção no que julgo que só posso refletir em mim e não nos outros, até por que não posso saber de todos os outros. Quando alguém está lendo não sei se essa pessoa se inclui no meu nós, e também não sei se ela faz parte do eles.

Quando uso o EU, é por que tenho certeza no momento atual que está em mim. Pode ser que alguém ao ler possa ler o eu e falar para si mesmo, ou deixar solto que isso é do Rafa e não seu, inferindo e decidindo no momento que lê.

Como é separar o eu/nós do eles?


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Opmerkingen


Post: Blog2_Post
bottom of page