top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como o fazer juntos pode nos ensinar novos saberes?

Colaboração parece um fim as vezes, se confunde com o meio e me faz pensar no …”Para que a colaboração?”.

Tenho percebido que toda vez que estou operando em colaboração aprendo algo novo, e percebo na minha volta que nós aprendemos algo novo todos juntos.

Domingo experimentamos um fazer sem controle, com uma certa ordem, mas experimentando a forma de fazer de cada um, juntos, todos ao mesmo tempo. Depois tivemos um tempo para refletir, para colheita aprendizados e percepções do que tínhamos vivido.

Surgiram ideias novas, percebeu-se os inconscientes na relação com o outro, foi possível entender como e quando não pedimos ajuda, sentimos a arrogância em nós mesmos por tentar fazer do nosso jeito achando que ele é o melhor, vivemos vários conflitos das diferenças naturais que existem em coletivos.

No final, aprendemos, novos saberes, novas formas de observar e nos sentimos presente em nós mesmos.

Quando tiramos o peso do resultado da ação, e focamos o peso ou valor, no caminho que foi trilhado, UAU, emerge nitidamente os poderes da colaboração, percebi que não existe o jeito certo de colaborar, é simplesmente um fazer junto com a confiança que estejamos todos focados no aprendizado.

Por fim, o fazer juntos, tradução de colaboração, me ensinou a olhar com brilho de aprendiz, a perceber a beleza das oportunidades que existem quando estou realmente disponível a trocar com o outro, nas duas diferenças, nas nossas divergências, no comum que existe em nós.

E se a palavra conflito não existisse e fossem criadas novas variações dela?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page