• Rafael Urquhart

Como renovar acordos comigo mesmo?

Acordos. Esse foi um ano em que essa palavra fez bastante sentido, tomou outras formas, significados e propostas. Aprendi na jornada Simplify a importância de clarificar acordos e o quão poderosos eles se tornam quando estão a serviço do coletivo.

O aprendizado também trouxe o olhar de que acordos, diferente de regras, não precisam ser quebrados. Podem ser atualizados a qualquer momento na evolução do aprendizado e da experiência. O incrível é que fazer acordo com os outros é poderoso, facilita, fica fácil lembrar mesmo que sejam em grande número.

E os acordos com si mesmo?

Pois é, me custa firmar um acordo comigo, tem sido um ano poderoso em aprendizado, mas difícil em rotina. Os acordos com a saúde não funcionaram, com a construção de hábitos também não. A todo dia um ou mais pensamentos a respeito dos acordos que estou quebrando comigo mesmo.

O Rafa multifacetário, multitarefas, multiprojetos foi se tornando pouco focado, distraído com tantas frentes abertas, e tantos acordos em varias direções dispersando os acordo consigo próprios. Há algo de mal nisso?

Pelo mesmo viés dos acordos vejo que não, afinal fui acordando a cada dia o que era mais importante, parei de fazer acordos de longo prazo comigo mesmo, só isso. Os acordos foram ficando para o hoje, e não para o sempre. Veio uma leveza incrível acompanhada de um peso da consciência do que não estou fazendo. Essa mistura de pensares que as vezes paralisa, também me faz nesse momento perceber que os acordos consigo mesmo, diferente dos com os outros, precisam ser revisitados todos os dias, renovados se fizerem sentido, atualizados caso seja necessário, lembrando sempre que faço o melhor possível comigo, e o caminho é continuar caminhando, passo por passo.

Sobre o como? Ainda estou aprendiz. Já fui mais determinado, mais rigoroso, mais regrado, fui mais um monte de coisas em exagero que não me fizeram bem. Não sei se funciona, mas faz sentido que os acordos sejam diários e não vitalícios.

Me sinto mais leve nesse momento, sem culpa, aceitando que o principal acordo é estar bem comigo, sem culpa, sem pena, sem raiva, sem recentimento, reduzindo angustia e ansiedade, de que hoje não é só mais um dia, é o dia, amanhã quem sabe os acordos que podem surgir nessas 24 horas.

Como perceber a entrega de valor a si mesmo?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f