top of page
  • Rafael Urquhart

Como se preocupar menos?

Trabalhando o estado de presença.

Será que planejar é se pré-ocupar? Fico dividido olhando para o que de fato são preocupações e o que de fato são planos ou ações do agora para fruto futuro.

Acredito que as preocupações fiquem somente na cabeça, e os planejamentos, planos de ações e estruturas devam ser materializadas, através de um trabalho no agora, que serve de base para um trabalho futuro.

Planejar pode se transformar em expectativa, e aqui mora um cuidado, a expectativa gera preocupação. Principalmente quando coloco expectativas nas situações que não tenho controle ou domínio, expectar uma mudança cultural ou politica por exemplo, causa uma preocupação da qual não posso fazer nada, para que? O que posso fazer é criar um plano, com métricas, onde eu defina se estas métricas chegarem a X ou Y eu tomo uma nova decisão, altero a rota ou algo do tipo.

Começo a perceber que muito do que está na minha cabeça provem de desejo e expectativa, e aos poucos, respirando e escrevendo consigo reduzir. Imagina que fez listas de final de ano sobre o 2020? Quanta expectativa e já de cara quanta frustração. Desde 2018 parei com as listinhas de desejo e intenção, comecei a trabalhar uma lista para mim do que eu quero, não pro ano, mas estar vivendo. Como se fossem sentimentos, impressões ou contextos. Claro que são desejos, são intenções, mas não coloco datas, podem já estar acontecendo e manter, podem ter acontecido e preciso resgatar, ou ainda podem não ter acontecido e talvez aconteçam por um tempo próximo ou ainda muito distante. É como se fosse um cenário de paz.

Olhar com essa perspectiva traz uma leveza, reduz em parte a preocupação, afinal sou humano e ela faz parte do meu inconsciente mesmo que eu não queira me preocupar. Afinal como já escrevi, em algum nível se preocupar com o outro é uma forma controladora de cuidado inconsciente e imperceptível por nós, mas perceptível pelo outro.

Talvez a resposta do como, seja a pratica do estado de presença, como um trabalho diário de autocuidado e auto-percepção, avaliando internamente a cada instante que uma preocupação surgir.

Como transitar do ter para o ser?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page