• Rafael Urquhart

Como se re-apaixonar por algo?

Toda palavra que começa com RE, nesse tom, me causa REFLEXÃO.

Repetir, rever, reavaliar, reanimar, rediscutir, repensar, re….

Nunca é tarde. Quantas paixões deixamos ao longo do tempo? Foi apaixonante mas ficou no passado.

Será? Qual é o seu cardápio de paixonites esquecidas?

Pensei rápido sobre algumas, instrumento musical, gaita, violão, jogar Xadrez, estudar sistemas de custos, trabalhar meu autoconhecimento, conversas, ambientes, facilitação, escrever, dirigir, andar de moto, viajar, brincar, pescar, futebol (não que eu jogue)…

A lista continua, mas talvez ela possa ser imensurável pelos momentos que não me percebi apaixonado.

Talvez a paixão tenha sido instantânea, curta, breve e passageira. Num tempo tão curto que não foi possível perceber. O que amo então? Se muito do que amo nem percebo?

Parece confuso num primeiro olhar, mas quantas vezes fazemos algo ou estamos na presença de algo e soltamos, “amo fazer isso”, “amo aquilo”.

Se re-apaixonar, não tem formula, talvez não tenha nem jeito. Pode ser que seja apenas um estado de percepção que nos move baseado na sensação de recompensa imediata. Ninguém se apaixona por nada que va trazer sensação daqui 10 anos. A paixão é do agora, do estado presente, neste momento, passando como um sopro.

Fui apaixonado por… Legal pra ti, boa lista. Mas e agora?

Pelo que estás apaixonado? Ta querendo te apaixonar? Te joga então, curte o agora, torna divertido.

Afinal o que não é divertido não é sustentável, e possivelmente o que não é divertido não apaixona.

Divirta-se…

Qual o nível do divertimento agora?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f