• Rafael Urquhart

Como tem cuidado da tua rede?

A pergunta me impacta negativamente de 3 formas com 3 palavras poderosas no meio dela:

tem…como se eu tivesse a obrigação ou o dever de cuidar da minha rede com frequência

cuidado…de que?de quem? Já é difícil cuidar de mim mesmo e dos meus familiares?

tua…Minha? Sou dono? Proprietário? Cade o contrato que assinei?

Lógico que trouxe um tom bélico, contraditório em uma frase que é comum, frequentemente dita falada por mim e outros, e que tenta traduzir numa linguagem mais simples do “nutrir a rede que nos cerca”.

Primeiro busco a reflexão da pergunta como esta. Não tenho cuidado da minha rede, já foi pesado demais para mim a missão dessa forma, e por fim a rede não é minha e de ninguém, simplesmente temos relações em comum e trocamos ou interagimos quando necessário.

Segundamente, fico tentado a transmutar a pergunta para uma linguagem mais próxima, humana, afetuosa e propositiva a futuro, vamos ver como fica…

COMO NUTRIR UMA REDE DE APOIO E TROCA NO TEU ENTORNO?

COMO NUTRIR UMA COMUNIDADE SAUDÁVEL NO TEU ENTORNO?

Saio do peso de ter que, de divida. Posso sim utilizar das minhas histórias, e me permito a trazer a minha visão deste como, forma, meio, maneira ou jeitinho.

Alguns Passos ou dicas:

Se mantenha acessível

Isso não quer dizer sim pra tudo que te pedem ou te convidem, mas faça saber a sua rede que sempre que precisarem e tu tiver meios pra apoiar, isso vai acontecer. Se você não conseguir ou não puder ajudar, seja sincero, conecte outra pessoa que possa e se mantenha acessível.

Não tenha medo de pedir

Comece perguntando como as pessoas estão, te atualize sobre elas, antes de fazer algum pedido. Quando você pede algo pra alguém, na contramão você está dando a oportunidade dela servir e equilibrar o sistema te apoiando.

Não te sobrecarregue, cuide dos teus limites

Não da pra cuidar de todos, não é nada divertido ficar oferecendo o tempo todo também, saber dizer não é uma arte. Tem o “não” que corta, o “não”que adia e o “não” que redireciona.

Se mantenha perguntando e não respondendo

Fazer boas perguntas nutre uma rede, abre conversas e estimula reflexões dos que nos cercam.

Comunique teus êxitos e celebre reconhecendo os outros e a si mesmo

Quando alguém do meu entorno prospera, fico tremendamente feliz, isso é sinal de riqueza a minha volta. Por que não faço o mesmo? Se atingir um objetivo compartilhe, se ficou feliz com algo compartilhe, pode ser que isso melhore o dia de alguém sem você nem saber. Ao fazer isso procure lembrar de quem esteve ao teu lado, não da pra reconhecer todo mundo o tempo todo, mas quem não gosta de ser reconhecido uma hora ou outra?

Compartilhe os aprendizados positivos e aqueles que chegaram através de grandes erros

Errar é bom, pela ótica do aprendizado. Oportuniza nos vulnerabilizarmos da maneira mais profunda. Nos da a oportunidade de pedir desculpas e perdoar. Enriquece nossa história e experiencia. Só que isso tudo acontece quando registramos, materializamos o erro e compartilhamos os aprendizados que ele nos trouxe. Nunca sabemos, mas pode ser que esse erro seja combustível para a ideia de alguém ou um alento para alguém que errou e não parou pra perceber o aprendizado.

A lista é infinita, mas esteja sempre disposto a compartilhar e colaborar.


Isso nutre, as vezes parece que não. Estou experimentando ficar um tempo escondidinho, saindo pouco da toca. Mas quem me conhece sabe as minhas tocas e o caminho pra que eu escute la de dentro os vossos chamados.

Qual a importância do dividir/distribuir para poder carregar?


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f