• Rafael Urquhart

E se eu tivesse um artefato pra reconhecer uma conversa e uma troca de valor imediata? (18/jul)

Hoje pela manhã, no ponto cego, tivemos conversas não só especiais, mas diria que espetaculares. Com aprendizados incríveis sobre compromisso, comprometimento e confiança.

Tive uma aula, das pessoas que estavam ali. No final fiquei de coração e mente cheia, repleta de nova sabedoria, e fiquei com essa pergunta na cabeça. E se eu pudesse efetivamente reconhecer o que aprendi com o outro a vista, de imediato, reconhecendo e já transferindo alguma importância.

E se isso fosse um hábito de todos, como seriam as trocas, o nível das conversas e a maturidade na presença do outro.

Fiquei pensando o que estaria acontecendo, como as pessoas estaria valorizando mais a presença uma das outras, como os diálogos estariam mais focados no efetivo aprendizado do outro e de si próprio. O que aconteceria nas relações com este ingrediente em que pudéssemos estar permanente mente valorizando o aprendizado uns com os outros em plena colaboração.

Me parece um mar de possibilidades a ser explorado, isso também traria oportunidade também de reconhecermos como ineficiência uma conversa. Imagine o contraponto de sair de uma conversa de 2 horas de duração e com sentimento de pouca efetividade e aprendizado. Se reconhecer fosse um habito, um baixo reconhecimento soaria como um Feedback simples, sem muito a declarar quando algo não foi muito efetivo.

Já pensei muito nestas ferramentas possíveis de reconhecimento no inicio do ano, entra tempo e sai tempo e volto ao mesmo tempo, me apegando ao que de verdade está valendo a pena no contato com o outro.

Qual o preço da liberdade de se escolher como e quando trabalhar?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f