• Rafael Urquhart

O que ainda quero comunicar hoje?

Acho que as vezes desejamos tantas coisas num mesmo dia, que passa desapercebido aquele foco principal que precisa ser comunicado. Ou ainda pior, fica o descuidado pelo que e para que estamos comunicando o que comunicamos.

Existe para mim uma comunicação natural não verbalizada que se materializa pelas nossas ações, pelo nosso cuidado. Se estou presente com quem interage comigo, disponível, acessível e cuidadosamente me importando é natural que esse cuidado no estar se manifeste em comunicar atenção, cuidado, estima, compaixão e tantas outras coisas que não necessitam ser verbalizadas, mas que podem ser sentidas, afinal comunicação não é só pro intelecto, para a mente ou para ser entendida, existem os níveis mais sutis que normalmente são os mais descuidados.

Muitas vezes falamos muito, mas na prática nada da fala acontece, uma incoerência natural em um cenário repleto de incoerências sistêmicas. Já escrevi varias vezes que é difícil, no limiar do impossível manter uma coerência em 100% do tempo. Essa cobrança por ser e se sentir coerente é alta demais, num mundo em que a todo momento somos distraídos, tentados e desafiados a não ser coerente.

Sobre o que quero comunicar? Fico mais presente agora pensando nas sutilidades, no comunicar sem falar e sem escrever, nos gestos, no estar, gostaria de comunicar mais compaixão e presença hoje pros que me cercam. Mais que ontem? Mais que quando? Pois é, acho que preciso de uma correção gostaria de comunicar dentro da melhor das minhas possibilidades, sem deixar de estar atendo, mas também sem forçar qualquer coisa que não seja natural. Simplesmente estar.

Parece complicado, acredito que trabalhando a minha presença consiga me comunicar dessa forma, pelo menos na maior parte do tempo ao longo do dia.

Sobre outras comunicações, textos, mensagens ou ideias transmitidas presencialmente, gostaria de simplificar, falar o necessário, escrever o necessário, sem delongas, somente aquilo que é mais importante, escutando mais tempo do que falando.

E sobre o que, aquilo ou algo? Bom acho que isso varia muito ao longo do dia em todos os âmbitos, acredito que o mais simples seria comunicar o que eu tiver de melhor para oferecer ao outro, dentro do meu alcance ao longo da jornada de hoje.

Qual realidade quero pra mim?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f