• Rafael Urquhart

O que esta por traz da aceitação?

Doses de presença, percepção e simplicidade.

Começo com estes 3 pontos mágicos “para mim”, afinal cada um aceita as coisas como lhe convém. Uns aceitam tudo, esta tudo bem o tempo todo, nada os abala e também pouca proposição emerge. Não me sinto a vontade com esta descrição de submissão que é bem diferente de aceitação.

Aceitar esta conectado a perceber que já aconteceu, já foi, se podia ser feito diferente o que já passou passou, essa percepção e presença do agora permite uma correção de rota simples baseada no aprendizado. Ficar tranquilo com um “ok, vamos em frente” pode ser mais simples do que parece. Aceitar perguntando o próximo passo pode ser mais simples do rebater, confrontar ou apontar a culpa do que ja foi.

Pense em uma situação ou mais que algo ocorreu diferente do que você gostaria.

Pois é, pensei, e me recordo que em boa parte delas, a minha reação foi apontar culpa, confrontar, bater pé, tentar de todo modo que a solução que eu havia pensado pudesse se tornar possível a partir daquele instante. Imagino a pessoa na minha frente desconfortável ou rebatendo e entrando em disputa comigo pela culpa ou razão. Isso apoiou em algum momento? Ter a razão ajudou? Convencer apoiou?

Posso saber que a culpa esta no outro, sentir essa dor e ainda assim aceitar que o outro não esta pronto, ou não tinha todo o contexto. Posso ainda me perceber também em todo o contexto e olhar para o que eu não falei, não fiz e não resolvi. Tudo é possível, mas o mais simples ainda assim provavelmente será aceitar e propor um novo caminho.

Mas e se o novo caminho não existir?

Certamente na direção da idealização criada é bem provável que não exista caminho. Mas E SE flexibilizarmos a idéia e nos abrirmos a outros caminhos e soluções, buscando fundo qual é a intenção ou necessidade principal presente?

O simples esta presente sempre, só não estamos prontos ou atentos para percebe-lo.

Quanto tempo tem o tempo?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f