top of page
  • Rafael Urquhart

O que fazer quando o emocional toma a frente?

Respirar, Reavaliar, Reaprender e Responder a si mesmo antes de responder ao contexto externo.

Senti as dores do emocional na ponta dos dedos mais uma vez a ponto de escapar das minhas mãos. A reação aconteceu em um nível sútil, mas controlado, no limiar do limite incontrolável.

É quase que um respiro de alívio, dizendo, ufaaa quase explodi.

Já fazia um tempo que não sentia essa sensação de passar entre os dedos e cair em emoção e reposta imediata sem reflexão.

Literalmente o emocional tomou a frente sem tempo algum para qualquer análise.

Por habilidade construída, aquela luz do painel que alerta “cuidado” ascendeu. Foi um disparo súbito de uma voz interna dizendo “Saia de onde está e vá respirar.”

Simplesmente respirar.

Nesse respirar, por um tempo superior a 2 minutos, uma chuva de idéias começa a aparecer, das ideias boas e das ideias ruins. É o diabinho chutador de balde lutando contra o anjinho segurador de pernas. O tempo vai mais fundo, mais respiração até chegar ao efetivo silêncio de pensamentos e idéias.

Passada a respiração e a volta a normalidade, inicia-se um reavaliar. O que é meu? O que não é meu? O que depende de mim? O que não depende? O que posso fazer e o que não posso?

O reaprender é quase que uma nova percepção para resposta? O que aconteceu? Por que deixei chegar nesse ponto? O que não cuidei? Qual a culpa que me cabe? Por que não me cuidei? Como posso fazer diferente a partir daqui? O que essas emoções estão querendo me dizer?

Com tantas perguntas, algumas respostas começam a emergir dentro de si. A culpa aumenta e ao mesmo tempo é acalmada pelos pensamentos efetivos de ação, algo muda, algo novo emerge e somente ai, a partir deste ponto das respostas a si mesmo que é possível e recomendável reagir e a responder ao entorno.

Parece muito tempo, e realmente é, o trabalho é para que o nível de stress emocional não tome a frente, que a emoção seja ingrediente e não comando. Que o emocional desperte sinais e caminhe junto em um equilíbrio de sensatez emocional.

Nem sempre esse tempo existe, na maioria das vezes não percebemos a luz de alerta e não paramos para respirar.

independente do contexto, da situação, se sentir a perda do controle emocional, comece a respirar profundamente e siga o fluxo.

O que emerge ao fazer o que te apaixona?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page