top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

O que sinto quando o fluxo encolhe?

Uma mistura de impotência com revolta.

A autocrítica vem em primeiro lugar, como uma cobrança eterna de que estou produzindo pouco e poderia produzir mais. Paralelo a isso brota o real sentimento de isolamento, de que estou trocando pouco, doando pouco, recebendo pouco. Esse pouco fica relacionado diretamente a uma expectativa de fluxo que não sei de onde vem, se do inconsciente ou da imaginação.

Paro e reflito que o fluxo que estou falando não é o do dinheiro, muito embora ele seja uma boa medida. É sobre fluxo de realização, medido em potência e bem estar. Sinto forte a impressão de que essa potência só acontece com grandes entregas, e a percepção dessa realização depende desse grande volume, não me deixando perceber das pequenas e simples entregas do dia a dia.

Talvez eu esteja em fluxo comigo, mas sinta que não é este fluxo que desejo. Interagir menos não me satisfaz, eu ja estava isolado fisicamente por ter me mudado, por ter mudado de estado e estar em um novo lugar. Talvez por isso eu não esteja sentindo tanto a mudança de isolamento fisico necessário agora pela Pandemia. Minha rotina mudou pouco, mudou é claro, mas muito pouco. Eu já não me sentia fluindo antes. O lançamento do livro, os contatos, as entregas, permitiram que eu percebesse a diferença do fluir e do não fluir. Como agora posso perceber não só em mim, mas na minha volta também, parece que o sentimento de impotência ficou ainda mais presente.

Respiro, procuro a calma, olho em volta, percebo o vazio, a pouca circulação e parece que assim me sinto no ritmo que precisamos agora, talvez eu estivesse mais preparado, o sentimento que ja era incontrolável em mim, agora é percebido por outros.

Estava encolhido, recuado, achacado ou talvez escondido, preso. Uso o estava por que algo em mim parece que pode mudar isso, busco mais fundo e existe muito insumo, muito conhecimento, muita experiência pra por pra fora, pra colocar em fluxo, como? Não sei. Mas tenho a certeza de que o desconforto de não fluir, pode gerar a ação para que tudo flua normalmente a contento do meu imaginário.

Por onde começar a fluir?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page