• Rafael Urquhart

O que tem estado enrolado?

…tempo para pensar.

Pensar? Acho que o enrolado pode estar ai.

Tenho pensado de mais estes últimos dias, pensamentos ligados a segurança, a preocupação, pensamentos ligados a pergunta “O que eu faço?” quando nada de interessante se apresenta a fazer.

Se me sinto enrolado, na verdade o que pode estar acontecendo é uma poluição severa dos meus pensamentos com situações não positivas que acabam por me paralisar, ou me enrolar.

Confesso que ao iniciar a pergunta, se iniciou uma lista, de coisas que não venho resolvendo ou conduzindo bem, um pouco por falta de rotina, outro pouco por falta de motivação e sentimento de utilidade. Aos poucos nesse tempo pra pensar e perceber, fui notando que isso esta em meu pensamento, apenas presente nele, que existe um universo de coisas legais acontecendo em paralelo, talvez desconectadas do meu esforço, mas positivas ao meu favor. Ao fim do pensamento vi que o que estava enrolado era o próprio pensamento.

Sempre escrevo “Talvez pareça louco”. Mas não, dessa vez consigo perceber um nível mais profundo do pensar sobre o pensar. Esta na minha cabeça e isso condiciona a forma que reajo pra fora dela. Me sentir enrolado, ou estar enrolando, são apenas sintomas de algo maior preso nos meus pensamentos negativos de não dar conta, de não ser suficiente que dão por cabo de me contagiar no foco da autosabotagem.

Olho pra pergunta, e me conecto com o verbo “estar”, ligado a presença. Estar difere de ser com uma núncia simples ligada a espaço (na minha humilde opinião), o “estado” muda com maior facilidade, condicionado ao contexto e a percepção, o “ser” é mais profundo, também muda no tempo, mas com uma base sólida focada no interior do que no exterior.

Minimizando a percepção, talvez o que esta enrolado seja apenas o meu pensamento sobre os fatos e contextos, talvez o enrolado seja sobre algo e não sobre mim. Simples assim.

Quando é necessário saltar?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f