• Rafael Urquhart

Para que depositar energia no que pode dar certo?

O que é dar certo?

Reflito mais um pouco e talvez a resposta mais simples a primeira pergunta é PARA APRENDER.

Sempre aprender, colocamos energia, nos dedicamos e a certeza é de que estaremos aprendendo.

É possível que aprendizados inesperados aconteçam, sejam com felicidade ou frustração. É possível que doa ou que vibre, nada é em vão.

Ainda assim toda energia colocada ela se distribui, circula, vai até o outro, emana no campo, reflete e PULSA.

Quem deposita espera sacar? Correto? Talvez não na mesma moeda, a certeza do dar e receber cria reações em diversos campos.

Neste momento esta colocando energia, no encerramento de um ciclo de um projeto ao qual me dediquei muito, investi altas energias por um longo tempo, acreditei sonhei e vivi.

A foto ilustrada aqui retrata os principios pensados ao inicio do projeto, os 4 princípios que não abri mão em nenhum momento durante os 20 meses da sua existência, eram base para estarmos juntos.

Não sabia se daria certo, nem mesmo o que era dar certo, não sabia muita coisa, mas ao longo do tempo aprendi muito, novos recursos e habilidades chegaram e equilibraram as entregas de energia.

A mensagem a seguir, escrita por mim, mas em nome da Simplify, reflete esse olhar de que toda energia com o tempo é equilibrada no universo.

Quanto tempo vai durar? Vai dar certo? O que precisa ser feito? Qual o primeiro passo? Quantas pessoas podem se encontrar e interagir? Quais reconhecimentos ocorrem a partir de uma interação? Quantas pessoas vão vir? Quem vai vir? Quais comunidades vão passar por aqui?

Tinhamos muitas perguntas no inicio de 2019, muitas mais que essas acima. Ao iniciar marcamos alguns princípios que queríamos praticar, experimentar ou simplesmente viver.

Win, win, win – Os indivíduos devem ganhar e evoluir, a comunidade que os cerca também assim como o meio ambiente. Talvez não tenhamos plantado nenhuma árvore, mas com certeza espalhamos muitas sementes, não foram poucos os encontros para autodesenvolvimento, como também não foram poucas as comunidades que circularam, trocaram e interagiram. Muitos encontros teceram conhecimentos sobre o cuidado com o meio ambiente, o reciclar e o cuidar.

Acesso x Propriedade – Vivemos 20 meses sem lugar marcado, sem mesa fixa, sem sala com chaves, sem permissões, uma liberdade verdadeira de acessar um recurso comum disponível, “É só chegar que a porta se abre.”;”É so agendar o espaço e fazer teu evento.”;”É só chegar, preparar teu café e começar a trabalhar.” Muito se perguntou de quem era o lugar? A resposta sempre mudava, mas o sentimento era que era de todos.

Recursos Prósperos – Quantos móveis recebemos da rede, quantos eventos com arrecadação em prol da Simplify, quantas conversas, quantas parcerias, quantas descobertas dos recursos disponíveis uns dos outros. Talvez o dinheiro tenha sido por muitas vezes curto, mas com certeza os aprendizados foram abundantes. Seguimos experimentando esse olhar de recursos. Tratamos até mesmo aquilo que sempre fugimos como recursos, transformamos conflitos em combustível para experimentação e aprendizado.

Reconhecimento x Remuneração – Não existiram salários, cargos padrões, nada disso. Houveram sim coresponsabilidades, entrega, participação na intenção de anfitriar melhor do que foi anfitriado. A ferramenta para reconhecer foi feita mas não precisamos dela, aprendemos a nos reconhecer nos money-piles pra arrecadar grana para pagar as contas, nos olhamos olhos nos olhos, conversamos e trocamos muito, foram infinitos checkins e checkouts cuidando uns dos outros, celebramos cada ciclo, cada passo reconhecendo-nos principalmente os aprendizados que fomos experimentando.

Simples assim, Simples faz, não existe energia em vão, toda ela retorna em aprendizado e essa é uma das razões para estarmos aqui neste universo.

Como se sentir equilibrado?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f