• Rafael Urquhart

Para que melhorarmos os ambientes onde estamos inseridos?

Quando algo não melhora perde a graça para mim. Sinto que quando fica igual a sempre, a monotonia se estabelece e isso acaba com que esse ambiente piore trazendo uma falsa impressão de permanência.

Quem não gosta de estar bem em um ambiente agradável e produtivo?

Quem não gosta de chegar em casa e o ambiente ser acolhedor, divertido, com toques da nossa própria personalidade?

Me fiz a pergunta pensando em todo processo de mudança, de desfazer um lugar quer estava habituado, com as coisas nos lugares mais cuidados para o cuidado comigo mesmo. Mudar de casa revela esse olhar de desapego daquele lugar que preparamos para nós mesmos com tanto carinho e em virtude das geografias e nomadismo se faz necessário mudar.

Quando mudamos, parece que percebemos o quanto juntamos de desnecessário que é preciso desapegar. evoluímos também cuidando de ambientes que nos faziam sentir necessários para que funcionem melhor. De alguma forma, o desapego se mistura com a alegria de melhorar um ambiente para si mesmo. É assim que experimento mudar de casa, e preparar o novo espaço que vou viver por um novo período.

Falando assim imagino que todo mundo se remeta em instantes ao cuidado com sua própria casa, ou a casa dos pais, ou a casa de alguém que gosta muito de frequentar. Quando olho para a pergunta resgato esse cuidado com o ambiente no qual vivemos, mas que incrivelmente não passamos a nossa maior parte do tempo. Afinal se trabalhamos e convivemos com a cidade, estamos a maior parte do tempo fora de casa.

Para que?

Para me sentir bem, para cuidar de mim, para estar em paz, para focar no que é preciso focar e que o ambiente seja o mais confortável e propicio para minhas atividades diárias.

Se o para que envolve nos sentirmos bem, me pergunto, por que não cuidamos da mesma forma dos espaços comuns, dos ambientes de trabalho, dos parques, das ruas. Parece que estamos sempre esperando que alguém cuide, de um espaço que nós usufruímos, delegamos o cuidado, delegamos a responsabilidade, delegamos a alguém o cuidado pelos ambientes que estamos inseridos, será mesmo.

Como melhorarmos os ambientes comuns que estamos inseridos?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f