top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Para que nos multiplicamos em tantos? (09/abr)

Passei muito tempo me dividindo, entre atividades, entre responsabilidades, entre desejos, entre atenções.

Ainda sigo me dividindo o dia todo, me multiplicando em projetos, ações e cuidados que acabo abrindo. A ilusão do multitarefa acaba criando confusão, estamos em varias frentes e não estamos em nenhuma. Por um tempo eu dividia o meu tempo, mascava as horas, pra estar num projeto, hora em outro, dividia o tempo pra cuidar de mim, e o tempo pra cuidar do outro. De alguma forma nessas divisões, por muitas vezes me perdi, não cuidando nem de A e nem de B.

Certa vez, troquei uma ideia com um mestre, minutos depois de atritarmos, ele me convidou pra um zoom, e abriu a conversa me perguntando o que estava acontecendo, reagi com um simples, NÃO ESTOU DANDO CONTA, e ele DE QUÊ?

Divido meu tempo e não consigo me manter eficiente o tempo todo, o contraponto foi simples, do tipo, Para quê divides o tempo se tu é só um? Só existe o Rafa? Não existem múltiplos Rafas, criar múltiplos Rafas é um trabalho que gera gestão, preocupação e afazeres que complicam ainda mais. Seja só você.

Pareceu simples, mas por obvio não ficou nada fácil. Me multiplico ou me divido pra me adaptar a todos os contextos possíveis, por muitas vezes a depender, mascaras apareceram, não por mal, mas por necessidade de sobrevivência. Agir no meu natural, pra alguns assusta, e assim vivo no presente cuidando de como hajo, na minha multiplicidade.

Funcionou? Não. Se a busca é por simplicidade, por que nos multiplicarmos em tantos.

Só existe eu, o meu tempo, o agora, e o que amo fazer e faço bem, e é tudo junto ao mesmo tempo . É sobre ser eu mesmo, projetando o meu melhor dentro do meu parâmetro de melhor, sem múltiplos, único em minha unicidade no que sou agora, múltiplos de tudo que veio antes.

Como projetar o melhor de mim no mundo?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Commenti


Post: Blog2_Post
bottom of page