top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Quais perspectivas a liberdade me traz?

Liberdade, incrível como em uma palavra pode caber a história da humanidade.

Quantas lutas? Quantas guerras? Quantas conquistas? Quantos sentimentos? Quanta dor? Quantos sonhos?

Em 2 linhas minha cabeça da um giro completo em perceber o quanto tenho banalizado a palavra, e também o quanto deixo de perceber a liberdade que tenho hoje.

Me sinto miope, juro que ao ler a pergunta me vieram pensamentos do ir e vir, de poder gerir meu tempo, de trabalhar com o que gosto, e de estar perto da minha família. Aos poucos ao perceber a infinidade de perspectivas da liberdade me senti pequeno e pouco agradecido pela liberdade que acesso hoje.

Mudo de ter para acessar, por que sinto que a liberdade está disponível, pelo menos aqui no meu país Brasil (sei que em muitos outros essa régua não vale), está tão disponível que não a percebemos.

A liberdade de escolher.

Alguém pode dizer, sim Rafa, mas a grande maioria das pessoas não está escolhendo. Será?

Será que não estamos cegados, todos míopes sem perceber a liberdade que já temos? Será que com um pouco de orientação e estimulo podemos perceber outras realidades e dimensões dessa liberdade disponível?

Volto a pergunta sobre quais perspectivas, e só me vem a palavra “infinitas”. Sobre as minhas, percebo hoje, que ando descuidado em celebrar a liberdade que a vida me presenteou e que minhas escolhas oportunizaram, sim por quê se gozo de uma liberdade incrível, é fruto das minhas escolhas, afinal nas leis atuais se eu tivesse escolhido diferente poderia estar preso, trancado, talvez numa prisão ou numa vida sem sentido.

Tem te dado tempo?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page