top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Quando o cinto aperta e aprendemos a pedir ajuda? (20/fev)

Estar em um trio de anfitriões na Simplify, foi uma escolha por entender que neste inicio precisaríamos de ordem junto ao caos, e anfitriar os que chegam. Só que como todo grande trabalho, chega um momento que as coisas a fazer são muito maiores do que as que podemos abraçar.

E não é fácil saber pedir ajuda, não é fácil entender o como e a forma de ter ajuda pra seguir na direção que pensamos, felizmente só temos 24 horas no dia, e os sintomas de fadiga e cansaço podem nos clarear para uma outra possibilidade de interação, a de pedir ajuda e se deixar ajudar.

Como bom fazedor, quero fazer, gostaria de fazer ainda mais, mas tenho limites físicos e de tempo que me impedem de fazer tudo que gostaria ao mesmo tempo, e aí, neste disparo de vulnerabilidade é o momento perfeito para saber pedir ajuda e oferecer oportunidades a outros.

Fiquei com a pergunta, por que não pedi ajuda antes, por que deixe o cinto apertar? Logo logo comecei a ressignificar e me perguntar para que querer fazer tudo sozinho ou entre poucos? Para quê? Para ter controle? Para estar próximo? Para ter certeza?

Percebi que não é sobre o como e sim o caminho, para que complicar se posso simplificar a todo instante.

Pedir ajuda é simplificar, mas não é sobre só pedir, é sobre se permitir ser ajudado da forma que acontecer, mesmo que as vezes não seja a forma que gostaríamos, mas todas as formas de ajuda são bem vindas, é perceber e deixar-se ajudar.

Qual a diferença entre euforia e entusiasmo?

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Commentaires


Post: Blog2_Post
bottom of page