top of page
  • Rafael Urquhart

Que momento estamos vivendo hoje?

Hoje me peguei pensando, sentindo e conversando com um amigo. Tragédias se somam, mas ao mesmo tempo conhecimentos e experiencias estão se aproximando no vias positivo. Somos poucos, ínfimos com outra consciência, mas me veio presente um basta de andarmos separados, e um viva para começarmos a nos movermos juntos.

Pode ser que juntos em muitos, andaremos menos depressa, mas certamente iremos mais longe. Me sinto um privilegiado e abençoado por estar próximo a tantas pessoas evoluídas, por me conectar a tantos recursos de conhecimento distintos e potentes, por pertencer e me aproximar de inúmeras comunidades que já fizeram, continuam fazendo e ainda farão muito pela humanidade e pelo coletivo.

De alguma forma vejo a simplify como algo que conecta isso tudo, que simplesmente permite que se encontrem, que façam juntos e que possamos observar as mudanças e o que emerge. Ainda não sei se o tempo é rápido ou não, se teremos recursos ou não, se faremos muito ou pouco, só sei que a viajem e os reencontrares estão sendo lindos.

Me sinto pleno em ter voltado a Porto Alegre, e pouco a pouco me reconectando com todos que conheci e fiz algo junto por aqui. É como se realmente eu tivesse voltado pra casa, pra reencontrar os amigos de infância que me conectam a mim mesmo, ao meu melhor, a minha máxima potência.

Mas este texto não é sobre mim, é sobre o que estamos vivendo. Em meio a tragédias uma encima das outras, cada vez piores, em um pequeno lugar do mundo, pequenas pessoas, estão dando pequenos passos que podem transformar o mundo. Não duvide de corações transbordando de intenções positivas, conectados pelo mesmo olhar e seguir. Vem muita coisa boa nesse mundão que nos cerca.

O que ocorre ao começar cada circulo significativo?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page