• Rafael Urquhart

Reiniciar ou pausar e tocar o play? (6/mai)

Reiniciar? Começar outra vez do zero?

Dar uma pausa e depois continuar?

Parecem metáforas iguais para refletir quando percebemos que as situações não vão bem.

Começar de novo? Acho que nunca começamos do mesmo lugar, me parece impossível. Por vezes nas transições neguei o que fazia antes, abdiquei dos padrões estabelecidos e busquei novas formas, diferentes da anterior. Parecia um recomeçar, mas hoje vejo que não, foi somente uma pausa, novas escolhas e um play novamente.

Segunda feiras são sempre dias de inicio de algo, de promessas, de tentativas frustradas, ou de mudanças verdadeiras. Me dei esta para pausar, refletir e ver o que emerge.

Ao fazer isso me dei por conta que mais uma vez estou em pausa, avaliando tudo que já aconteceu, encontrando outras perspectivas para o que já fiz, buscando e encontrando outros padrões para o que faço, para quê, ao fazer sentido, me permitir colocar algo em movimento outra vez.

Parece duro, mas o reiniciar sempre me vem em mente antes, talvez por que agora eu seja capaz de perceber, que se me deixo fluir na inconsciência, nela ainda habita um medo da escassez e relações de poder. No meu inconsciente ainda estão instalados os drivers que combato. Vai parecer maluco por alguns segundos, mas é muito tempo exposto a uma lógica de funcionamento que ainda é a mesma que estabelece os padrões.

Posso seguir lutando internamente, observando e interpretando que existe outra forma, com uma briga interna que quer muito algo, mas em alguns momentos age por instinto na direção contraria. Combate ou diálogo? Essa divergência em mim do Rafa que quer pagar as contas, do Rafa que quer mudar o seu mundo, faz com que novas observações emerjam, o caminho mais lógico parece a luta, mas sempre existe o caminho do meio.

É só uma pausa breve no tempo, novos conjuntos de reflexões e conexões sobre mim mesmo, para voltar a dar um play com muita força.

E se minha escrita de hoje fossem mensagens de atenção para o futuro?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f